segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

[Curiosidades Literárias] Grandes insultos entre autores

A literatura - como qualquer outro ramo da vida -, é recheada de vaidade e inveja. Em alguns casos, a rivalidade entre alguns escritores foi externada publicamente, havendo, assim, diversos exemplos de insultos memoráveis na história literatura. Segue abaixo uma pequena lista das maiores troca de farpas públicas da literatura ocidental.


1º - William Faulkner (A Cidade) sobre Ernest Hemingway (Por Quem os Sinos Dobram)

“Ele nunca sequer pensou em usar uma palavra que pudesse mandar o leitor para um dicionário.”

2º - Ernest Hemingway sobre William Faulkner


“Pobre Faulkner. Ele realmente pensa que grandes emoções vem de grandes palavras?”

3º - Oscar Wilde (O Retrato de Dorian Grey) sobre Alexander Pope (Ensaio sobre a crítica)

“Existem duas formas de se odiar poesia: uma delas é não gostar, a outra é ler Pope.”

4º - Virginia Woolf sobre James Joyce (Ulisses)


“Ulisses é o trabalho de um estudante universitário enjoado coçando as suas espinhas.”

5º - Vladimir Nabokov (Lolita) sobre Joseph Conrad (Coração das Trevas)

“Eu não consigo tolerar o estilo loja de presentes de Conrad e os navios engarrafados e colares de concha de seus clichês românticos.”

6º - Evelyn Waugh (Memórias de Brideshead) sobre Marcel Proust (Em Busca do Tempo Perdido)


“Estou lendo Proust pela primeira vez. É uma coisa muito pobre. Eu acho que ele tinha algum problema mental.” 

7º - Charles Baudelaire (Paraísos Artificiais) sobre Voltaire (Cândido)


“Eu cresci entediado na França. E o maior motivo para isso é que todo mundo aqui me lembra o Voltaire… o rei dos idiotas, o príncipe da superficialidade, o antiartista, o porta-voz das serventes, o papai Gigone dos editores da revista Siecle.” 

8º -  Lord Byron (Don Juan) on John Keats (To Autumn)


“Aqui temos a poesia ‘mija-na-cama’ do Johnny Keats e mais três romances de sei lá eu quem. Chega de Keats, eu peço. Queimem-o vivo! Se algum de vocês não o fizer eu devo arrancar a pele dele com minhas próprias mãos.” 

9º - H. G. Wells (Guerra dos Mundos) sobre George Bernard Shaw (Pygmalion)


“Uma criança idiota gritando em um hospital.” 

10º - Truman Capote sobre Jack Kerouac (On The Road)


“Isso não é escrever. Isso é só datilografar.” 

PS: O autor deste Blog pede licença para dizer que acha a frase do Truman Capote genial, e que ela se aplica a muito escritor famoso.

Fonte

4 comentários:

  1. Excelente post! Interessante e cômico =)
    abs!

    ResponderEliminar
  2. Bom, como gosto mto do seu blog, te escolhi pra receber um selo, espero que goste!
    abraço =)

    ResponderEliminar
  3. Tem uns aí que a gente nem imagina falando tais coisas, não é?

    ResponderEliminar
  4. Legal foi do Evelyn Waugh : "Eu acho que ele tinha algum problema mental." XD
    Euri

    ResponderEliminar